O tal do aniversário

Chegou o mês do meu aniversário e ele ficava ainda mais próximo com o passar dos dias… TENSO. Sim, tenso. Ao contrário de muitas pessoas, minha ansiedade em meu aniversário estar próximo é para que ele passe logo, e de preferência sem sufoco.

Antes que comecem os discursos me acusando de ser anti social ou algo do tipo, me explico: Gosto de pessoas, gosto de conversar com pessoas, gosto de abraços e tudo mais, mas tenho um pânico interno quando a atenção de todo mundo está em cima de mim sem necessidade.

Os que me conhecem há um tempo sabem que eu já apresentei peças de teatro, cantei para plateias e gravei vídeos.. Mas, pera lá, nesses casos tudo tinha um propósito e um porquê das pessoas estarem me olhando, eu estava mesmo me apresentando, tinha um palco e um ambiente todo programado para isso… No dia do meu aniversário não! É um dia como outro qualquer, nada muda na sua vida no dia em que você completa um ano a mais. A passagem da 4a para a 5a série é uma mudança muito maior que o meu aniversário, porque isso sim muda a vida de uma pessoa. E cadê que está todo mundo olhando para aquela pessoinha e dando parabéns pelo começo do ano letivo?

Aliás, tudo começa nessa palavra: “parabéns”. Por que as pessoas dizem “parabéns” para alguém que faz aniversário? Não faz o menor sentido! “Pô cara, parabéns aê por fazer aniversário, pu$% conquista daora.” Ninguém escolhe se vai fazer aniversário ou não. Aniversário não é uma conquista, ele apenas acontece, inevitavelmente. A não ser que a pessoa tenha sofrido um acidente trágico durante o ano ou viva perigosamente, não existe motivo por dar parabéns na data do aniversário. Deseje um feliz aniversário e todo aquele discurso que engloba muitas felicidades, sucessos e sonhos realizados. Agora, “parabéns” não.

aniversário de 23

E aí quando você é o aniversariante, as pessoas fingem que lembraram do “seu dia” sem o aviso do Facebook e te abraçam dizendo “parabéns”. Quando você se dá conta, atrás dela tem uma fila de quatro ou cinco desavisados prontos para te dizer “parabéns” apenas pelo fato de que alguém puxou a fila e lembrou o resto das pessoas ao redor. Então, o que você faz?… não sei. Nunca sei qual deveria ser a reação do aniversariante além do “abrace de volta, sorria e diga obrigado quantas vezes for necessário até a outra pessoa parar de falar”.

É um pouco daquele sentimento mais comum de: gosto de bolo, mas torço pro parabéns passar rápido. Com o misto de parem de olhar pra mim, porque não sei o que fazer. E aí as pessoas querem comemorar com você, te chamam para sair… mas é você que tem que decidir onde todo mundo vai e até o que vão comer. Afinal, é seu dia, né? Isso quando não te chamam para sair, mas para você escolher o lugar e pagar o rolê de todo mundo.

É o dia do meu aniversário e só por isso eu posso escolher o que eu quero fazer, onde eu quero ir? E se eu disse que quero ficar quietinha, vocês deixam? Me deixem ser discreta. Aceito “feliz aniversário” e abraços, mas por favor, sem auê.